Dez pacientes com Covid-19 já estão curados em Rio Preto

Rio Preto tem 47 casos positivos de coronavírus e dez desses pacientes estão curados. Foi o que confirmou André Baitello, médico assessor especial da Secretaria de Saúde da cidade, na manhã desta quinta-feira, 9. Uma pessoa é considerada curada quando os sintomas desaparecem. Se o caso é leve, é preciso esperar pelo menos 14 dias desde o início dos sinais - caso mesmo após esse período os sintomas permaneçam, a liberação ocorre após eles cessarem. Em caso de internação, o médico avalia o paciente e define a alta de acordo com uma série de fatores.

A pasta não informou qual o perfil dos pacientes considerados curados nem quantos deles chegaram a ficar internados. Agora, eles não podem mais transmitir a doença, por isso foram liberados do isolamento domiciliar. Os cientistas não chegaram a um consenso definitivo sobre se eles podem contrair novamente o coronavírus, porém a tendência é que não - de acordo com Maurício Lacerda Nogueira, do Laboratório de Virologia da Famerp, os outros vírus da mesma família só podem ser contraídos uma vez.

Rio Preto tem 102 pacientes aguardando resultados de exames de coronavírus e 402 foram notificados com síndrome gripal, pois tinham febre e algum outro sintoma respiratório, porém como não apresentavam gravidade nem era profissionais de saúde não foram testados para Covid-19.

Como na dengue e na gripe, a Saúde notifica os casos suspeitos e os curados não são "debitados" dos confirmados. Isso ocorre porque após o diagnóstico, o paciente pode ter sido um potencial transmissor para manutenção de uma cadeia, por isso não sai da contagem, segundo apurou a reportagem com a Secretaria da Saúde. A notificação dá a dimensão de quantas pessoas o serviço precisou atender. O confirmado ajuda a dimensionar a positividade e como está a epidemia.

Duas pessoas morreram com coronavírus na cidade - uma mulher de 79 anos, que tinha sequelas de acidente vascular cerebral (AVC), era colostomizada e acamada; e um homem de 73 anos, também com comorbidades. De acordo com a última divulgação da Secretaria de Saúde, cinco óbitos suspeitos ainda estavam em análise.

Nesta quinta, foram confirmados sete casos - três deles em profissionais de saúde, que foram para isolamento domiciliar. De outros dois casos, os pacientes foram internados com Síndrome Respiratória Aguda Grave e um deles permanece internado em enfermaria, o outro já teve alta.

Unidades de atendimento

A Secretaria de Saúde decidiu que cinco das Unidades Básicas de Saúde que eram destinadas a atender somente pacientes com sintomas respiratórios voltem ao atendimento normal. São as unidades do Santo Antônio, Schmitt, São Deocleciano, Caic e Central. Esses postos voltarão aos seus atendimentos de rotina. "A gente tem que otimizar os nossos equipamentos de proteção individual. Como todos sabem, um dos grandes problemas do atendimento dessa epidemia são as questões do EPI dos profissionais de saúde", explica Baitello.

As unidades de saúde dos bairros Vetorazzo, Lealdade/Amizade, Anchieta, Solo Sagrado, Estoril e do anexo à UBS do Santo Antônio continuam atendendo somente síndromes gripais.

Hospital de campanha

Em Rio Preto, há um total de 1.475 leitos de enfermaria e 291 de UTI, além daqueles que Hospital de Base e Santa Casa destinaram especificamente para coronavírus. Para liberar o máximo de vagas possível para o enfrentamento da Covid-19, a Secretaria de Saúde determinou que os hospitais públicos desmarcassem as cirurgias eletivas (não urgentes) e recomendou que os particulares fizessem o mesmo.

Um hospital de campanha está sendo planejado pela Saúde e pode entrar em operação ainda neste mês, caso os hospitais não deem conta da demanda. "Estamos começando a subir a montanha. O número de casos vai aumentar ao longo dos próximos dias. No momento atual não vamos iniciar o hospital de campanha, isso vai ser avaliado ao longo da epidemia", diz Baitello. A estrutura vai funcionar onde hoje opera o Hospital Dia, na avenida Philadelpho Gouveia Neto.

Região

Jaci confirmou o primeiro caso positivo da doença. Fernandópolis, Votuporanga, Bebedouro e Barretos aumentaram os números de ocorrências. Com isso, a Covid-19 já atingiu 101 pessoas na região. São quatro mortes confirmadas ao todo - duas em Rio Preto e duas em Catanduva - e outras 12 estão em investigação.

Catanduva confirmou na tarde desta quinta-feira, 9, que tem transmissão comunitária de Covid-19. A constatação aconteceu porque o idoso que faleceu com a doença na última segunda-feira, 6, teria apresentado os primeiros sintomas no dia 31 de março - mais de um mês depois de ter tido contato com parentes de São Paulo, entre os dias 21 e 24 de fevereiro. Como o período de incubação máxima da doença é de 14 dias, não é possível estabelecer vínculo de transmissão. "Sendo assim este pode ser considerado o primeiro caso de transmissão comunitária", diz o secretário de Saúde, Ronaldo Gonçalves Júnior.

A transmissão local agrava a epidemia, pois significa que o vírus está circulando no município, não precisando mais ser "importado". Em Rio Preto, esta situação foi estabelecida no fim do mês passado. A paciente é a mulher de 79 anos que faleceu no dia 4.

Fonte: Diário de Rio Preto