Pontal Online

CPI da Covid começa hoje com Planalto na defensiva

A CPI no Senado que vai investigar a conduta do governo federal na pandemia começa a funcionar hoje em clima de guerra entre Legislativo e Executivo, via Judiciário. Um juiz de primeira instância do Distrito Federal, atendendo a pedido da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), determinou em liminar que Renan Calheiros (MDB-AL) não pode ser esclhido relator da comissão. Mas, com base em seu regimento interno, o Senado deve ignorar a decisão judicial. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), soltou nota dizendo que a escolha do relator cabe ao presidente da CPI e não admite interferência de um juiz. (Globo)

Covid-19 matou mais em 4 meses que em 2020 inteiro

Abril ainda não terminou, mas o total de mortos por Covid-19 no Brasil este ano, 195.949, já supera os 194.976 óbitos de março a dezembro de 2020. No domingo foram confirmadas 1.316 vítimas fatais, levando o total a 390.925. A média móvel de mortes em sete dias, 2.498, caiu 20% em relação ao período anterior, o que indica tendência de queda e apresenta o maior recuo desde os -27% de 11 de novembro. Mesmo assim, abril já é o mês mais letal desde o início da pandemia em sete estados (ES, MG, MS, RJ, SP, AP e PI) e no Distrito Federal. (G1)

EUA ouvem com ceticismo promessas de Bolsonaro

“Alguns dos comentários que o presidente Bolsonaro fez hoje me surpreenderam, e isso é muito bom. A questão é: eles vão cumprir?” Essa foi a reação de John Kerry, representante do governo americano para questões de meio ambiente, à fala de Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima convocada virtualmente por Joe Biden. O brasileiro prometeu reduzir emissões de carbono, acabar com o desmatamento ilegal até 2030 e buscar neutralidade na emissão de carbono até 2050. (G1)

Bolsonaro quer convencer mundo de que protege Amazônia

Embora o foco das críticas internacionais ao Brasil seja a política ambiental, o presidente Jair Bolsonaro deve levar hoje à Cúpula do Clima uma versão reciclada do discurso de quem executa essa mesma política, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Em seus três minutos de fala, Bolsonaro deve reafirmar, sem dar detalhes ou estratégias, a promessa de eliminar o desmatamento ilegal até 2030 que manifestou na carta enviada semana passada a Joe Biden, que convocou a cúpula. (Folha)

Inscreva-se em nossa NewsLetter