JOVEM É PRESO EM FLAGRANTE APÓS PUBLICAÇÃO SOBRE VISITA DE BOLSONARO A UBERLÂNDIA; PM CONSIDEROU POSTAGEM EM REDE SOCIAL UMA INCITAÇÃO À PRÁTICA DE CRIME CONTRA SEGURANÇA NACIONAL

Um jovem de 24 anos foi preso no início da madrugada desta quinta-feira (4) em Uberlândia, após fazer postagens referentes à vinda do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) à cidade. A Polícia Militar considerou que João Reginaldo da Silva Júnior incitou a prática de crime contra segurança nacional ao publicar no Twitter a frase: "Gente, Bolsonaro em Udia amanhã... Alguém fecha virar herói nacional?"'.

Bolsonaro foi recebido no aeroporto de Uberlândia, onde pousou pouco depois das 9h desta quinta, numa parada que estava fora da agenda oficial. O destino do presidente foi a cidade de São Simão, sudoeste de Goiás, onde participou da inauguração de um trecho da Ferrovia Norte-Sul.

Segundo informações do boletim de ocorrência da PM, João foi encontrado na residência onde mora com os pais e, no momento na abordagem, confirmou a publicação na rede social e foi preso em flagrante. A PM conduziu o jovem até a Delegacia da Polícia Federal em Uberlândia, onde teve a prisão ratificada pelo delgado federal Laerte Vieira Gonçalves Neto.

Segundo o advogado Jostter Marinho, que atua na defesa de Neto, ele será liberado sob fiança. O valor não foi divulgado. A família disse que aguarda a liberação do jovem e a orientação do advogado sobre se darão declaração sobre o caso.

A prisão ocorreu após o serviço de inteligência da PM fazer rastreamento nas redes sociais e identificar a postagem, segundo a corporação "com propaganda e incitação à prática de crimes contra a integridade física e a vida do Exmo. Presidente da República Jair Messias Bolsonaro com promessas de que tais ameaças se concretizariam durante a sua passagem nesta cidade de Uberlândia na data de hoje".

A publicação de João Reginaldo teve pelo menos três respostas em concordância. A Polícia Federal vai continuar as investigações para identificar os demais autores e todos poderão ser indiciados pelo mesmo crime.

Fonte: G1